quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Libertando-se das Ataduras

Quando Maria chegou ao lugar onde estava Jesus, ao vê-lo, lançou-se-lhe aos pés, dizendo: Senhor, se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido... Disse Jesus: Tirai a pedra. Disse-lhe Marta, irmã do morto: Senhor, já cheira mal, porque já é de quatro dias. Respondeu-lhe Jesus: Não te disse eu que, se creres, verás a glória de Deus? Tiraram, então, a pedra... E Jesus clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: Desatai-o e deixai-o ir. Jo 11.32-44.

 Quero chamar a atenção para alguns pontos importantes nesse texto tão simples e precioso:

 O afastamento da presença de Jesus, mesmo que sejamos amigos dele, pode causar a nossa morte – porém, quem crê em Jesus, ainda que morra, viverá;

 Existem alguns "sepulcros" em nosso interior que, se Jesus mandar remover-lhes a pedra, vão exalar mau cheiro, pois há coisa morta lá dentro – mas Jesus manda remover a pedra, pois quer nos ministrar sua vida e seu perfume;

 A pessoa, mesmo após ter sido vivificada por Jesus, pode ainda estar amarrada com algumas ataduras – e Jesus também manda que sejam tiradas.

 Esses três princípios podem ser aplicados a muitas questões de nosso dia-a-dia, mas quero me deter na questão da simplicidade. Podemos ver aqui um quadro das nossas vidas depois que fomos chamadas da morte para a vida, convertendo-nos ao Senhor Jesus.

 Antes estávamos mortos em nossos delitos e pecados, nossas vidas eram verdadeiros sepulcros e cheiravam mal. Mas cremos em Jesus e fomos, com isso, vivificados por ele. Atendemos ao chamado, saímos para fora, mas não passamos logo a experimentar uma vida de plenitude, pois, como Lázaro, ainda estávamos amarrados com muitas ataduras. Essas ataduras representam aquelas práticas do passado, certos hábitos que tínhamos, coisas que fazíamos para dar uma aparência melhor ao nosso "defunto pessoal", para melhorar nosso cheiro diante das pessoas. Mas depois de vivificados por Jesus, não precisamos mais delas – temos a Vida, temos uma aparência melhor. Aleluia! E essas amarras agora só nos atrapalham, não nos deixando experimentar um fluir de Deus mais intenso, entrar na plenitude do evangelho.

 Essa teologia faz sentido para você? Está precisando se livrar de algumas ataduras ainda? Vou dar apenas alguns exemplos:

 1) A não confiança na provisão de Deus

 Há alguns meses, li um estudo (Conspiração Divina, Dallas Willard, Editora Mundo Cristão, pág. 289) e, depois de me imaginar dentro da mesma situação, fiquei estarrecido: Alguém entrou no quarto de seu filho e levou um tremendo susto com o que encontrou no meio das roupas emboladas, como se estivesse escondendo algo precioso - um pacote de biscoitos, um tubo de pasta de dente, algumas fatias de bacon, um pedaço de fio dental, junto a outros itens de uso diário. A princípio, o pai apenas achou estranho o fato, até indagar do filho o significado desses objetos guardados. O filho explicou que sempre tinha todas essas coisas disponíveis em sua casa, e que seu pai sempre as comprava. Mas se acontecesse de um dia o pai deixar de comprá-las, ele teria um estoque de reserva para sua manutenção. O pai caiu em profunda tristeza com essa atitude de seu filho e chorou amargamente, com imensa decepção. Suas palavras quase não saíam: "Meu filho, por que isso? Não tenho diariamente suprido todas as suas necessidades?"

 Até esse ponto, a história parece algo bobo, ilógico, sem qualquer significado para nós. Mas não é exatamente isso que fazemos com nosso Pai Celestial, através de atitudes que revelam nossa falta de confiança nele? "O pão nosso de cada dia dá-nos hoje..." Foi assim que aprendemos a orar, de acordo com as palavras de Jesus. Quantas vezes repetimos isso, sem atentar ao menos para o seu significado? Precisamos parar de viver em função de guardar coisas para o dia em que Deus falhar! Quando realmente confiarmos em Jeová-Jiré, nosso Provedor, uma grande revolução acontecerá em nossas vidas.

 2) Considerar a abundância de bens materiais como sinal da bênção de Deus

 Simplicidade significa abrir mão de certos hábitos, de comprar certas coisas, não por falta de dinheiro (pois muitos são simples devido às circunstâncias, mas não pela pobreza de espírito, mencionada por Jesus), mas porque entendem que não devem juntar tesouros nesta terra. Em vez de comprar um Nike, compram um Bamba. Mesmo com dinheiro suficiente para adquirir um carro de luxo, continuam andando de Fusca ou Uno Mille.

 Francisco de Assis era riquíssimo, mas escolheu uma vida de simplicidade depois de ter uma forte experiência com Deus, o que produziu um verdadeiro avivamento na Itália, com repercussões até no Vaticano. Diariamente repassava todos os donativos que recebia além de suas necessidades diárias, pois cria que, no dia seguinte, Deus proveria tudo de que precisasse.

 Conheço uma cristã em Niterói, RJ, que tem uma grande experiência com Deus nessa área. Recentemente, perguntei a ela o seu segredo. Ela simplesmente me disse que tem se alimentado de Jesus e não tem mais fome para as coisas do mundo. Jesus a sacia plenamente, e posso testificar que realmente está acostumada a participar de verdadeiros banquetes na presença de Deus. Mas nada disso foi por imposição religiosa nem por doutrinas de falsa piedade – foi fruto de intimidade com Deus e por ter encontrado a pérola de grande valor.

 Esse assunto precisa ser encarado com responsabilidade, pois não se trata de legalismo ou imposição de conduta. O que está em jogo não é a aparência exterior, mas as intenções e propósitos do coração (Mt 6:1). Não queremos também voltar ao movimento hippie dos anos 60, quando muitos jovens deixaram tudo para uma vida de paz e amor, sendo que continuavam sustentados pelos "papais" industriais e burgueses.

 Mas algumas pessoas que já têm uma conduta exemplar, como o jovem rico, são chamadas por Deus a entrarem em uma outra dimensão no reino dele – são as que podem ter, mas abrem mão, as que deixam tudo porque encontraram algo de maior valor, algo que o dinheiro não pode comprar. A primeira realidade espiritual perdida pela igreja primitiva talvez seja a última a ser restaurada – uma vida desapegada do dinheiro, dos bens materiais.

 3) A necessidade do reconhecimento religioso


 Nos tempos bíblicos, havia um único pastor – o Senhor. Todos os demais ministérios estariam no nível daqueles cachorrinhos que correm em volta das ovelhas, ajudando o Pastor a cuidar de seu rebanho. Você pode até dizer que havia apóstolos, bispos, mestres, no entanto estes não eram cargos, mas encargos (ou funções) desempenhadas pelos membros do Corpo.

 Hoje existe uma busca tão frenética e desenfreada por títulos eclesiásticos que fico até assustado. Estamos chegando à época em que teremos mais apóstolos que ovelhas (uma só igreja próxima ao meu local de trabalho tem 70!). Com tantos apóstolos, surgiu até a necessidade de um título para quem é maior que apóstolo. Pai-póstolo? Chanceler?

 Quem não se alimenta de Jesus fica faminto por títulos e honrarias humanas. Os escribas e fariseus praticavam obras com o fim de serem vistos pelos homens (Mt 23.5-7). O ensino de Jesus que diz "o maior dentre vós será o vosso servo" perdeu completamente o sentido na igreja moderna. Quando buscamos reconhecimento humano, comumente Deus se afasta porque esse assunto não lhe diz respeito. Não é à toa que o primeiro mandamento é "Não terás outros deuses além de mim". Ele quer nosso coração voltado só para ele.

 Quando temos preocupação com a impressão que estamos causando aos outros ou encaramos a reputação como um tesouro a ser conquistado e guardado, isso se torna um laço para nós. Vai tirando nosso fôlego de vida e, como Lázaro, começamos a cheirar mal. Em vez de nos arrependermos e voltarmos a nos alimentar de Jesus – o Pão dos Céus – enfaixamo-nos com gazes e ataduras para nos embelezar. Vamos nos enrolando cada dia mais.

 Em 1997, encontrei um homem de Deus no Rio de Janeiro, com quem estava sem contato há 15 anos. Tive a oportunidade de lhe perguntar sobre o que Deus estaria para fazer na igreja, em nossos dias, já que esta pessoa teve uma atuação muito expressiva em trazer grandes revelações de Deus para o Brasil. A resposta que ouvi foi a que menos esperava: "Não existem grandes revelações para nossos dias; Deus quer nos levar para as coisas simples, para as verdades elementares do evangelho – o sangue, a comunhão, a ceia, a cruz". Saí dali mancando, como Jacó, como se tivesse sido tocado no meu nervo ciático. E, de lá para cá, tenho compreendido que realmente Deus quer nos levar para as coisas mais simples, as quais temos abandonado, complicando e tentando modernizar a vida cristã.

 Se você está como Lázaro, deixe alguém tirar a pedra do sepulcro em que você se meteu. Vai exalar mau cheiro, mas quando Jesus injetar vida nas suas veias, o cheiro de morte irá embora. Quando for vivificado, deixe também que alguém tire suas ataduras. Para a liberdade foi que Cristo nos libertou (Gl 5.1).

 Ezequiel Netto faz parte do Conselho Editorial da revista Impacto. É médico veterinário e reside atualmente em Campinas, com sua esposa Val e suas três filhas. E-mail:ezequielnetto@ig.com.br

por Ezequiel Netto

Um comentário:

  1. Abençoamado pastor Marcos,
    A paz

    O nobre amigo e o ilustre Ezequiel têm algo em comum: Ambos professam as Verdades Espirituais.
    Amo vocês, em Cristo Jesus.
    NEle, sempre,
    O conservo
    Alberto Couto Filho

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails